Portal JNP: O Seu Portal de Informação

Renato Moicano não vai provocar José Aldo antes de luta: "O cara fez muito pelo esporte"

Peso-pena brasiliense, que enfrenta ex-campeão no UFC Fortaleza em fevereiro, acredita que atletas precisam dar exemplo e promover combates sem desrespeitar uns aos outros

Esportes // UFC
Publicada em 19/12/2018 às 11:36:29

 A luta contra José Aldo, anunciada oficialmente na semana passada para o UFC Fortaleza de 2 de fevereiro de 2019, vinha sendo pedida por Renato Moicano há meses, desde que o lutador brasiliense venceu Cub Swanson em agosto passado. O ex-campeão dos pesos-penas, todavia, não aceitou o combate até que o mesmo Swanson precisou desistir de uma luta contra ele, marcada para janeiro. Moicano garante que não se surpreendeu com a súbita mudança de opinião do manauara.

- O Aldo tinha lá seus motivos para não querer a luta. Acredito que ele estava esperando o desenrolar da luta do Max Holloway com o Brian Ortega. Se o Brian vencesse, ele tinha reais chances de lutar pelo título, mas, como foi o Max Holloway, ele viu que seria difícil ter a chance de lutar direto pelo título, então quis essa luta logo para poder pleitear essa chance - analisou Moicano, em entrevista por telefone ao Combate.com.

Acostume-se a isso: mesmo com uma "bola levantada" para ele "cortar", o peso-pena brasiliense não vai provocar José Aldo. Admirador do compatriota, a quem considera o melhor peso-pena da história e um dos cinco melhores lutadores de todos os tempos, Moicano preza pelo respeito ao adversário e não quer passar do limite para promover o confronto no UFC Fortaleza.

- Não sou um grande fã do trash talk, acredito que a gente tem outras maneiras melhores, na arte marcial, de vender a luta. Vim do jiu-jítsu, e não vou xingar nem tratar mal. O cara fez muito pelo esporte. Minha diferença que quero tirar dentro do octógono é vencer. O esporte para mim é muito sagrado, e nada melhor que a gente dar o exemplo para o Brasil, que hoje em dia está dividido, tem muito crime. Acho que o esporte tem um papel fundamental na formação do indivíduo, como teve na minha. Acho que a gente não pode sair disso, não vou estar desrespeitando ninguém. A gente tem que saber diferenciar isso aí. Tem coisas que você tem que falar para alcançar a atenção da mídia, alguma provocação, mas não acho legal levar por esse lado que o UFC está levando. Da minha parte, vou sempre respeitar o José Aldo - explicou.

 

Atualmente em quarto lugar no ranking dos penas, Moicano foi escalado pelo Ultimate como suplente na última disputa de cinturão da categoria, entre Max Holloway e Brian Ortega, no último dia 8 de dezembro. Sua presença acabou não sendo necessária, uma vez que ambos os lutadores bateram o peso sem problemas e se apresentaram para lutar. Ainda em Toronto, o brasiliense admitiu ter se arrependido de não ter insistido no corte de peso para bater o limite da categoria e mostrar que estava pronto para lutar pelo título; duas semanas depois, está em paz com a experiência, e acredita que sua estatura com o UFC permanece a mesma.

 

- Não (falei com o UFC), quem conversou foi meu manager, mas, pelo que ele falou, não teve problema. Afinal, a luta que eles queriam mesmo era o Brian Ortega contra o Max Holloway, então não fez diferença, acho que está tudo tranquilo. Foi normal (assistir à luta). Eu sempre encaro as situações da forma que são mesmo. Eu sabia que a luta seria muito difícil de acontecer, que seria muito difícil de o Max não lutar. Gostei muito (da luta), foi um show de técnica do Max e de garra do Ortega, são os dois melhores da categoria. Assisti como fã e apreciei o espetáculo que foi - declarou Moicano.

 

Confira mais declarações de Renato Moicano:

 

Sobre a luta contra Aldo ser co-principal do UFC Fortaleza

 

- Não tenho os detalhes não, não sei exatamente por quê. Mas acredito que deveria ser a luta principal, pelo peso do Aldo no Brasil, mas também não vejo problemas por ser o co-main event. Por si só vai atrair o público para assistir e vai ser um grande combate.

 

Se a luta vale a posição de desafiante número 1

 

- A gente não foi informado, mas acredito que a tendência é que sim, a gente vencendo o José Aldo, uma lenda, o maior de todos os tempos no peso-pena, não tem como não lutar pelo cinturão.

 

Admiração por José Aldo

 

- Acho que ele está entre os maiores de todos os tempos, pelas conquistas, pelo tempo que esteve com o cinturão. Ainda acho que o maior é o Anderson Silva, pela genialidade, pelo público que alcançou, mas o Aldo é o melhor dos pesos-penas e top 5 de todos os tempos. Eu me inspiro muito nele. Tenho gratidão de poder enfrentá-lo, dar meu melhor e vencer.

 

Em quanto tempo pensa em subir ao peso-leve

 

- Não dá para saber não, ainda tenho carreira para fazer no 66kg. Não tenho essa vontade agora não, mas em algum momento da carreira isso é inevitável. Como aconteceu com o Dustin Poirier, como está acontecendo com o Max Holloway. Eu quero chegar a ser campeão antes de fazer isso.

 

Futuro de Max Holloway: ainda defende o cinturão ou sobe na próxima luta?

 

- Não dá para saber, isso vai depender muito do que o UFC pensar para ele em termos de promoção. Consolidado como ele está como campeão, acredito que ele vai fazer uma superluta para ganhar muito dinheiro. Acredito que a próxima luta dele vai ser no 70kg. Por exemplo, se ele conseguir uma chance de lutar com o Khabib (Nurmagomedov) e vencer, vai fazer que nem o Daniel Cormier e não vai descer mais, mas como a categoria de 70kg está mto travada e não sabemos quem vai enfrentar quem, eles não estão casando ainda. O Max subindo vai embolar muito a categoria, tem lutas interessantes para ele fazer, do ponto de vista comercial, como Tony Ferguson, Conor McGregor, etc. Acho que ele faz uma luta em cima sem valer cinturão, como o Anderson Silva fazia, e volta.

 

 

Edição: André Santos

Fonte: G1

 

Noticias Relacionadas