O americano Tim Wu é um conhecido observador da influência da tecnologia nas nossas vidas. Em seu novo livro, The Attention Merchants (Os mercadores de atenção), tema de minha coluna desta semana na revista Época, ele narra a história da disputa das diversas formas de comunicação pela audiência do consumidor.

 

 

Não é uma daquelas críticas ingênuas à publicidade, mas uma narrativa detalhada e bem-informada, que vai da criação dos primeiros anúncios nos jornais baratos do século XIX ao mundo conteporâneo, dominado pelos gigantes do Vale do Silício, Google e Facebook.

 

 

A principal transformação trazida pelos anúncios na Era Digital é, segundo Wu, a ubiquidade. Aparecem a toda hora nos smartphones, com recursos viciantes que transformam a consulta a e-mails ou atualizações nas redes sociais numa função vital. “Ao longo do próximo século, o recurso humano mais vital a conservar e proteger será provavelmente nossa consciência e espaço mental”, diz Wu.

 

 Helio Gurovitz

 

 

É em nome desse recurso que, nos próximos dez dias, estarei de férias, distante de internet, celular e tablets – preocupado apenas com a melhor tecnologia para proteção solar. Até a volta!